Ações do grupo em 2014

O ano de 2014 foi bastante agitado e com bons resultados. Eis algumas ações que realizamos durante o ano para combater a violência obstétrica.
 
AÇÃO NO MINISTÉRIO PÚBLICO DE SANTA CATARINA
-Ato Somos Todxs Adelir – Ato Contra Violência Obstétrica 
Dia: 11 de abril de 2014.
Local: Ministério Público de Santa Catarina
Hora: 15 horas
Ações:
– Elaboração de um documento com denúncias sobre Violência Obstétrica em duas maternidades aqui da Grande Florianópolis. Lembramos que não são apenas nas duas entidades que a Violência Obstétrica ocorre, porém, chamam muito atenção por uma realizar episiotomia como rotina e protocolo e outra pelo alto número de cesáreas.
O documento foi entregue em mãos para a promotora do Ministério Público, assinado pelos presentes e protocolado também na Defensoria Pública.
– Confecção de cartazes.
– Elaboração e confecção de panfletos sobre Violência Obstétrica.
– Contato com as mídias da Grande Florianópolis.
Resultados:
-O Ministério Público de Santa Catarina se comprometeu em ser parceiro em investigar denuncias de violência obstétrica. Para isso é necessário que a denuncias chegue até eles.
– Fomos pauta no programa UFSC Cidade, da TV UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Acesse o link: http://www.youtube.com/watch?v=s6nloEWcDnw
Ações pós ato
Durante os meses que se seguiram foi realizado uma série de contatos com a promotora Carolina Cabral cobrando os resultados da ação.
Primeira resposta via e-mail enviado em 26 de maio e com resposta dia 27 de maio.
Entrei em contato com o Ministério Público para saber do andamento das denúncias feitas e do comprometimento da Promotora Caroline Cabral sobre as placas que informam sobre a lei do acompanhante.
Copio e colo aqui para o conhecimento de todas.
1- Resposta do e-mail:
Excelentíssima Senhora Coordenadora Adjunta,
Cumprimentando-a cordialmente, de ordem do Senhor Secretário-Geral do Ministério Público, remetemos a Vossa Excelência o questionamento abaixo, recebido por este Serviço de Atendimento e Informações ao Cidadão, para as providências que esse órgão entender cabíveis.
Respeitosamente,
Boa tarde. No dia 11 de abril de 2014, um grupo de mulheres, homens e crianças estiveram presentes no Ministério Público de Santa Catarina, com a promotora Caroline Cabral para entregar um manifesto no qual denunciava o número de cesáreas excessivas na maternidade Santa Helena e o número elevado de episiotomias na maternidade Carmela Dutra, ambas sediadas em Florianópolis/ SC. O impulso deste movimento foi um fato ocorrido na cidade de Torres/RS, no qual Adelir Goes foi forçada pelo MP a uma cesárea. Esse fato gerou uma movimentação Nacional – Somxs Todxs Adelir – Ato Contra Violência Obstétrica. Durante a audiência a Promotora Caroline Cabral se comprometeu em apurar as placas obrigatórias informando sobre a Lei do Acompanhante – 12.895/2013 e o cumprimento da Lei do Acompanhante Lei 11.108/95. Gostaríamos de obter informações sobre os encaminhamentos dessas denúncias. No aguardo de informações. Att, Gisele Corrêa
2- Resposta da Promotora Caroline Cabral
Florianópolis, 27 de maio de 2014.
Senhora Gisele,
Cumprimentando-a cordialmente, informo que este Centro de Apoio já está desenvolvendo material sobre a obrigatoriedade de os estabelecimentos de saúde observarem as disposições da Lei do Acompanhante, cujo layout dos cartazes está sendo desenvolvido pelo setor de artes desta Instituição.
Informo, outrossim, que este Centro de Apoio Operacional, além de atuar na área de Saúde Pública, também desenvolve (concomitantemente) programas na área do idoso, deficiente, drogadição, terceiro setor e assuntos residuais, comprometendo a rapidez no atendimento do pleito apresentado.
Por fim, tão logo seja concluído o material, providenciaremos que este chegue ao seu conhecimento.
Sem mais para o momento, renovo os meus sinceros protestos de consideração e de apreço, colocando este Centro de Apoio Operacional à disposição para o que se fizer necessário à garantia de acesso aos Direitos Fundamentais e a sua efetividade.
Atenciosamente,
Caroline Cabral
Promotora de Justiça
Coordenadora-Adjunta do CDH e Terceiro Setor
Primeiro enviei solicitação pelo próprio formulário no site do MP e então encaminharam a Promotora Caroline Cabral. Para quem não foi ao MP no dia 11 de abril, a promotora em questão se comprometeu com a questão das placas sobre a lei da acompanhante, visto que as duas são leis – o acompanhante e a placa informando a lei do acompanhante.
– Contato via telefone, da promotora Caroline Cabral (reescrevendo aqui o que foi postado na página do evento, Somos Todxs Adelir), em 26 de junho.
Mulheres, homens e crianças, lembram que havia entrado em contato com a promotora Caroline Cabral? Então, após aquele e-mail eu não sosseguei e perguntei como seria a melhor forma de denunciar pelo MP e o que havia sido feito com as denuncias que levamos. A promotora novamente se mostrou acessível não se limitando a um contato virtual e entrando diretamente em contato comigo através do telefone (a mesma me ligou).
Resultado da conversa:
1- As placas estão na arte final.
2- O documento foi encaminhado a promotora de justiça Sonia Maria Demeda Groisman Piardi. No entanto, para o MP agir é necessário que as pessoas que foram lesionadas entrem em contato direto com a promotora Sônia – esta indicará documentos e outros necessários para investigação.
3 – É extremamente importante que as pessoas individualmente denunciem. Lembrando e esclarecendo que o MP investigará a instituição, quem desejar indenizações e/ou outros deve entrar em contato com a defensoria pública.
A atribuição da promotora Sonia Maria Demeda Groisman Piardi é: Atuar na área da Cidadania, com exclusividade nos feitos relativos ao direito à Saúde, inclusive do Consumidor e Saúde Complementar, excluídos os feitos da Infância e Juventude, mediante distribuição com a 30ª Promotoria de Justiça.
Horário de atendimento ao público: das 12:00 as 19:00
Endereço: Rua Pedro Ivo, 231 – Centro
Prédio: Capital – Ed. Campos Salles
CEP: 88.010-070
Cidade: Capital
E-mail: capital33pj@mpsc.mp.br
Lembrando que a promotora Caroline Cabral continua a nossa disposição para qualquer dúvida ou informação.
– Em outubro recebemos uma carta que foi instaurado o procedimento prepatório para apurar “supostos casos de violência obstétrica”. Com isso, fizemos um “chamamento virtual” para que as mulheres encaminhassem denúncias. Foi criado um documento para informar sobre evidencias científicas e violência obstétrica no Brasil. Foram 23 dias de trabalho. Dia 18 de dezembro teremos reunião com a promotora Sônia.
Número do procedimento preparatório: 06.2014.00009841-7, link para pesquisa:http://www.mpsc.mp.br/portal/servicos/consultar-processos.aspx
SEMANA NACIONAL DO RESPEITO AO PARTO – Floripa Shopping
De: 19 a 22 de maio de 2014 – das 12 as 22 horas.
Ação: Entregar panfletos sobre o que é violência obstétrica e como denunciar. Registrar contato de quem se interessa em contato conosco.
Resultados: Quinta a noite foram distribuidos panfletos sobre Violência Obstétrica.
MARCHA DAS VADIAS
Dia: 24 de maio de 2014
Hora: 10 horas
Ação: Entregar panfletos sobre o que é violência obstétrica e como denunciar. Registrar contato de quem se interessa em contato conosco.
Resultados: Nenhum panfleto foi entregue, nem foi feito algum registro de pessoas. Porém conseguimos fala no Jornal Notícia do Dia, interessante pela visibilidade: http://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/169209-marcha-das-vadias-leva-centenas-de-pessoas-as-ruas-de-florianopolis-contra-o-machismo.html
16 DIAS DE ATIVISMO: Pelo Fim da Violência Contra a Mulher
De novembro a dezembro de 2014
Mariana Andrade e Gisele Corrêa elaboraram uma atividade sobre violência obstétrica no dia 05 de dezembro de 2014.  05 de dezembro,  Conversas sobre Violência Obstétrica,  UNISUL – Centro de Florianópolis – R: Trajano, 199, ao lado do Bob’s. 13h às 18h
Programação:
13 horas: Exibição do Filme: Renascimento do Parto
14:45: Roda de conversa Parto Normal X Parto Anormal – Juliany Silva e a mediadora: Maysa Vicente
15:45 – Pausa.
16:00 – Violência Obstétrica e Direitos no Parto – Carolina Horn, Celina Luci Lazzari e Gisele Corrêa
17:00 – Oficina de Plano de Parto – Gabriela Lohn
Juntamente com a Secretaria de Habitação e Saneamento de Florianópolis várias comunidades carentes foram orientadas sobre o que é violência obstétrica e em como combatê-la.
20/11/14 (quinta feira)
Localidade:Alto da Caiera
Endereço: Servidão da Felicidade – Recicla Floripa (no galpão do centro de reciclagem
Horário: 15:30 horas
Profissional: Juliana Souza – Formada em Educação Física pela UFSC 2011. Professora de Hatha Yoga e Pilates. Doula pelo GAMA em 201420/11/14 (quinta feira)
Localidade: Penitenciária (Agronômica)
Endereço:Igreja Católica Nossa Senhora Aparecida
Horário:19:30  horas
Profissional: Gerusa Santini. Fisioterapeuta. Doula e educadora perinatal certificada pela Matriusca Bem estar das mulheres em todos os ciclos de vida; Voluntária no Gestar – Grupo de Apoio à gestante; Ativista no movimento pela humanização do parto e nascimento.

25/11/14 (terça feira)
Localidade:Serrinha
Endereço: Casa São Jose – Marcus Aurélio Homem, 366 – Horário: 19:30  horas
Profissional: Celina Lazzari – Doula e Educadora Perinatal formada pela Matriusca – Psicóloga e Bacharel em Psicologia formada na Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Trabalha como Doula e Psicóloga Clínica.

Camila Lazzari Trentini – bacharel em direito e ativista pela humanização do parto e nascimento.
27/11 (quinta feira)
Localidade: Morro do 25 (centro de Floripa)
Endereço: Salão da Igreja
Horário: 19:00  horas
Profissional: Karine Kerr – ativista pelo direito das mulheres.01/12 (segunda feira)
Localidade:Queimada e Jagatá
Endereço: Igreja São Sebastião
Horário: 19:00  horas
Profissional: Marina Toledo – doula e educadora perinatal formada pela Matriusca – Bem estar das mulheres em todos os ciclos de vida; Voluntária no Gestar – Grupo de Apoio à gestante; Ativista no movimento pela humanização do parto e nascimento.Voluntária no Grupo Mulheres no Alpha. Ativista no movimento pela humanização do parto e nascimento. Realiza pintura artística na barriga da gestante.

 02/12 (terça feira)
Localidade: Monte Serrat (centro, atrás da escola Técnica)
Endereço: Centro Cultural Escrava Anastácia
Horário: 19:30  horas
Profissional: Maysa Vicente – Doula e Educadora Perinatal pela Matriusca em associação com a Rehuna; Técnica em Enfermagem na Unidade de Pronto Atendimento do Sul da Ilha pela PMF , Voluntária no Gestar – Grupo de Apoio à gestante; Ativista no movimento pela humanização do parto e nascimento.

Clipagem:
http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/habitacao/?pagina=notpagina&menu&noti=13052
https://www.youtube.com/watch?v=yGHD4gdw1f4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.